Piruka

Home

-

Piruka

Image

Piruka

138

Share on:

           

Piruka - Impossíveis lyrics

São dez e cinquenta
E a cabeça arrebenta por todos os lados
Eu tenho o que queria
Mas a minha vida nem chega perto do que tinha sonhado

Porque para ganhar perdi, e pra sorrir chorei
Fama nunca a pedi, e nunca a procurei
Eu vi na caneta uma fuga pra minha verdade
Vi no caderno a esperança de vida

Vivi um inferno com um pai agarrado
E uma mãe numa cura com mais uma cria
Pensei que a vida não sorria, que nenhuma porta se abriria
E hoje olhando pra minha vida dizem-me
Já chega já chega já chega

E quando disserem que a fama te cega
Vai por mim, acredita, é como dizerem que a morte é certa
Que é o mais certo nesta vida
E eu provei do veneno que em pequeno não queria

Hoje vivo da luz, que me conduz, que me alimenta, que me ilumina
E eu que dizia que esse brilho em mim nunca pegaria
Virei o menino prodígio da tuga com a cara no mundo da bijutaria
Vi-me a gastar vinte mil num fio que nem precisava

Hoje tenho um palácio, dois ou três carros e não era o que ambicionava
Meu tropa, eu só queria um prato, meu tropa, eu só queria um teto
Por isso transmito humildade, com gana tudo se consegue
Música não é só vibe, tem cuidado com o que escreves

Hoje ouço: Pirukinha vai
Dez mil pessoas aos berros
Desde puto que vi os meus pais em caminhos que não deviam
Quando tu sobes e fácil cair, mas muitos nunca subiram

Quando eu dizia que um dia seria eu, digo-te, muitos se riam
E os que saíram no dia em que eu disse o que disse
Disseram que era impossível

Na vida não há impossíveis, se queres trabalha pra um dia ter
Não falha quem não luta e quem não luta não vence
Do pouco eu fiz muito e ainda há tanto a fazer

Na vida não há impossíveis, se queres trabalha pra um dia ter
Não falha quem não luta e quem não luta não vence
Do pouco eu fiz muito e ainda há tanto a fazer

Nós somos iguais, tudo carne e osso
Ninguém é mais que ninguém
Mas uns trabalham e outros trabalham pro bronze
Vivem com a guita da mãe
Enquanto uns se matam, outros só matam os pombos

No meio da merda tens fumo és o rei
Parado no bairro a vender uns contos
Como tive na merda eu falo do que sei
Mas eu pra la não volto, sim venho do bairro
E ser bairrista e o meu rótulo

Sei a mensagem que trago, tenho água benta no copo
Mas muito me olha de lado por ter tinta no corpo
Por vezes penso que sou o louco no meio de tanta sanidade
Sinto que tenho o diabo na esquerda mas Deus pesa do outro lado
Sempre que o azar me espreita, penso quando a cabeça se deita
Hoje em dia sou legal e construí o meu legado

Na vida não há impossíveis, se queres trabalha pra um dia ter
Não falha quem não luta e quem não luta não vence
Do pouco eu fiz muito e ainda há tanto a fazer

Na vida não há impossíveis, se queres trabalha pra um dia ter
Não falha quem não luta e quem não luta não vence
Do pouco eu fiz muito e ainda há tanto a fazer

Video



Ads


Ads

LetrasMz

We are the best Mozambican website song lyrics site since 2014.

Mozambique, Maputo

info@letrasmz.com

letras.de.musicas.mz@gmail.com

© LetrasMz. All Rights Reserved.